domingo, março 11, 2007

Taxista maluco

Ontem, depois de uma festa animadíssima de casamento, eis que divido táxi com uma amiga e um amigo. Quase 4h da manhã. Cada um iria ficar em um endereço. Acredita-se que qualquer taxista gostaria desse tipo de corrida, mais grana para ele, certo? Errado.

O motorista tinha esquecido a cara de bons amigos em casa, e - agora vem a parte boa - corria feito um desesperado por ruelas, ruas e avenidas. Não tive dúvida, quando ele começou a descer a Protásio a quase mais de 80km/h eu só disse: "Por favor, tu pode correr menos?" E ele: "Eu não estou correndo." E eu: "Está sim, a 80." E ele: "Quer que eu ande a 60?!" Minha resposta: "Sim, quero!"

Silêncio constrangedor no carro, interrompido apenas por algumas trocas de palavras até a última criatura saltar do bólido.

Na buena, não fazem mais taxistas como antigamente! Cadê o último fuquinha vermelho alaranjado que andava por POA?

3 comentários:

Cássia disse...

Tá ceeeerto. PAVOR de taxista imbecil. Mas tem muitos gente fina...

giuliano disse...

As minhas poucas experiências com taxistas também não são nada boas.
Escreva mais, Carol! Você vicia e não alimenta o vício.
Beijos. Adoro você.

ticolina disse...

taxistas tem dois tipos: gente fina e mala sem alca. o segunto tipo tem se proliferado com mais facilidade. dammit.